Google+ Followers

terça-feira, 13 de julho de 2010

QUANTO VALE UM AMOR...


Agora, enquanto escrevo, há gente se apaixonando. Gente se encontrando, se olhando nos olhos e tentando ver no outro o que não tem em si. Gente esperançosa, cheia de vontade de começar, com um coração zero quilômetro… Sem riscos, sem arranhões, com motor potente e pronto para rodar mil estradas se for necessário… Tudo por causa do sonho de viver um amor.

Enquanto escrevo, há gente se separando. Gente que viveu tudo que havia pra viver junto com uma outra pessoa. Gente que viu um relacionamento passar por fases de alegria e tristezas. Gente que brigou, se desgastou, se humilhou, se atirou de mil poços na tentativa de não perder o que já estava perdido. Gente que está sofrendo a dor da separação, ainda que seja uma separação tranquila, correta e cordata. Gente com um coração quebrado, cheio de caquinhos, com medo do futuro, com medo da solidão e da saudade. Gente triste por causa do amor.

Enquanto escrevo, há gente sem dormir por causa do amor. Gente conversando, pensando, sentindo, chorando, gritando, discutindo. Gente tentando chegar a um acordo, tentando acertar as arestas, tentando melhorar as coisas, se esforçando. Gente pedindo mais uma chance, pedindo para que o outro não faça as malas, gente fazendo promessas, gente fazendo esforço pra mudar o que o outro não acha legal. Gente avaliando prós e contras, gente abrindo mão do que valoriza pra si mesmo… Só para manter um pouco mais o seu amor.

Neste minuto, enquanto escrevo, há gente solitária sofrendo. Gente olhando pela janela, gente rolando na cama, gente do lado do telefone, gente nas salas de bate-papo, gente esperando um chamado, um milagre, um acontecimento para que chegue alguém especial. Alguém que mude sua vida. Alguém por quem valha a pena deixar a segurança da solidão. Gente sonhando, gente chorando, gente bebendo nas mesas de bar… Gente esperando ser arrebatada, consolada e restaurada pelo amor.

Bem agora tem também gente muito feliz. Gente fazendo amor, gente dormindo abraçada, gente trocando palavras doces no telefone, gente fazendo planos, gente pintando paredes de apartamento novo, gente experimentando vestido de casamento, gente sorrindo pra lua. Gente que vive o frio na barriga que é a entrega, o encontro. Gente se deliciando com a felicidade de ter alguém a seu lado – mesmo que seja difícil. Gente que topou e correspondeu ao desafio do amor.

Agora, agorinha mesmo, deve ter muita gente pensando em amores que já se foram. Gente olhando fotos, cartas antigas. Gente sonhando com quem já morreu, gente pensando no porquê do afastamento, gente pensando em como era bom quando aquela pessoa estava lá. Gente com saudade de um jeito único de olhar, de falar, de tocar, de sentir. Gente com vontade de fazer o tempo voltar só pra tudo ser tão bom quando era quando o amor estava por perto.

Há também gente como eu, pensando sobre o amor. Pensando em como ele é delicioso e difícil. Pensando em como fazê-lo dar certo. Pensando no quanto ele vale.

Eu não sei quanto vale um sorriso, um telefonema certo no fim do dia, um colo, uma massagem, um cheiro, uma aliança, um passeio de mão dadas, um desejo de futuro. Não sei quanto vale uma atenção especial, não sei quanto vale a fidelidade, a dedicação, a convivência. Não sei até que ponto um abraço, um cartão, uma declaração de amor… Até que ponto isso tudo vale. Não sei se todas as delícias sofridas de se viver junto valem mais que a segurança e a liberdade egoísta da solidão. Não sei.

Nesse momento, tem muita gente, como eu, tentando descobrir quanto vale um amor. Eu acho que um amor vale muito. Em alguns casos, vale quase tudo.

Só espero que minhas apostas não sejam altas demais.

Nenhum comentário: